Anuncie aqui

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Direção de Alcaçuz confirma nomes dos três presos mortos nesta terça

Presos foram mortos no pavilhão 1  (Foto: PM/Divulgação)
A direção da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, maior presídio do Rio Grande do Norte, confirmou os nomes dos três detentos assassinados a facadas na madrugada desta terça-feira (9). São eles: Luciano Cunha Gomes, Alexsandro Barros de Andrade e Anderson Freitas de Andrade. Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal.
Luciano Cunha Gomes, de 37 anos, nasceu em Caicó. Mais conhecido como ‘Tapuru’, foi condenado a 45 anos e seis meses de prisão por homicídio. Em fevereiro de 2008, após dois detentos serem decapitados, Luciano e mais três presos foram transferidos para a Penitenciária Federal de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Um ano depois, os quatro retornaram para Alcaçuz.
Já Alexsandro Barros de Andrade, o 'Macaíba', tinha 25 anos. Apesar do apelido, nasceu em Natal. No site do Tribunal de Justiça, consta que ele respondia por crimes de tráfico de drogas e receptação de material roubado. Já o terceiro, Anderson Freitas de Andrade, respondia pelo crime de roubo.
Diretor da Coape, Zemilton Silva disse que os presos foram mortos no pavilhão 1, local onde os presos tinham uma boa convivência. "Até então estava tudo calmo", ressaltou. A Polícia Civil e o Instituto Técnico de Perícia (Itep) foram chamados.
Com mais estes três homicídios, chega a 19 o número de presos encontrados mortos dentro de unidades prisionais do Rio Grande do Norte somente em 2016. Ano passado foram 28. Do total de 2015, 25 foram assassinados a facadas ou encontrados enforcados (mortos em condições suspeitas). Outros dois morreram soterrados após o desabamento de um túnel em Alcaçuz. Ainda houve o caso de um adolescente que foi morto ao ser baleado em uma unidade para cumprimento de medida socioeducativa durante uma tentativa de resgate no Ceduc de Caicó. Os números são da Coordenadoria de Análises Criminais da Secretaria Estadual de Segurança Pública.
Sistema em calamidade
O sistema penitenciário potiguar não passa por um bom momento. E faz tempo. Em março de 2015, após uma série de rebeliões em várias unidades prisionais, o governo decretou estado de calamidade pública e pediu ajuda à Força Nacional. Para a recuperação de 14 presídios, todos depredados durante os motins, foram gastos mais de R$ 7 milhões. Tudo em vão. As melhorias feitas foram novamente destruídas. Atualmente, em várias unidades, as celas não possuem grades e os presos circulam livremente dentro dos pavilhões.
Fonte G1 RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aceitaremos comentários anônimos. os Comentários Serão aceitos após uma rápida moderação, os conteúdos são de inteira responsabilidade de seus autores, em casos de ofensas pessoais ou injurias processos judiciais podem ser aplicados mediante a quebra de sigilo do seu IP.